Olá, mentee!

Meu nome é Daniela Hikari Yano, sou de Londrina/PR e estudo Física em Barnard College, em Nova Iorque. Apesar de estudar nos Estados Unidos, fui convidada pelo Supermentor para falar um pouco sobre a possibilidade de fazer faculdade no Japão! Isso porque, quando estava aplicando para universidades, escolhi me candidatar para a Universidade de Tóquio (também conhecida como Todai), onde fui aceita para estudar Ciências Ambientais.

Minha experiência

Após me formar no Ensino Médio, em 2017, resolvi tirar um Gap Year para me preparar para o SAT, assim como explorar meus interesses pessoais. Durante esse ano, pesquisei muito sobre universidades no exterior. Meu foco eram as faculdades nos Estados Unidos, principalmente por causa da excelência acadêmica. Mas durante minhas pesquisas na internet acabei descobrindo que a Universidade de Tóquio oferecia cursos de graduação em Inglês. Gostei bastante da universidade e vi que muitos dos requerimentos eram parecidos com os das universidades americanas, o que me fez decidir aplicar também.

Eu me candidatei para o programa PEAK (Programs in English at Komaba) - Komaba é um dos Campus da Universidade de Tóquio. Esse programa segue o modelo Liberal Arts e oferece dois cursos: Ciências Ambientais e Japão no Leste Asiático. Não é necessário saber falar japonês, pois os cursos são oferecidos inteiramente na Língua Inglesa. Porém, os estudantes precisam estudar três semestres de Japonês na faculdade, o que é muito compreensível.

O Application para o Japão

Vou aqui detalhar a minha experiência aplicando para a Universidade de Tóquio, mas o processo de candidatura é parecido para outras universidades japonesas que oferecem cursos de graduação na Língua Inglesa, como a Kyoto University, a Sophia University, e a Hokkaido University. 

Para se candidatar, além de informações básicas sobre você, é necessário apresentar notas do SAT/ACT, exame de proficiência em inglês (TOEFL/IELTS/Cambridge), uma redação, histórico escolar do ensino médio, avaliações fornecidas por dois professores e School Profile. Quando apliquei também precisei apresentar resultados no Sat Subjects, mas como esse exame será descontinuado, acredito que será isento ou substituído por outro requerimento. A taxa de inscrição é de 5000 ienes (aproximadamente 50 dólares).

Após essa etapa, tive uma entrevista presencial. Vieram um professor e uma coordenadora do Japão para São Paulo, onde realizei a entrevista. Além de responder perguntas recorrentes de entrevistas, precisei resolver alguns exercícios de matemática e física (matérias nas quais enviei o Sat Subjects). Atualmente, a entrevista é online.

A Universidade de Tóquio recomenda aos candidatos uma nota acima de 100 no TOEFL iBT (mínimo 7.0 no IELTS /185 no Cambridge). Ainda, é esperado que o candidato tenha uma nota acima de 1480 no SAT (ou acima de 33 no ACT). Em 2020, o programa PEAK teve uma taxa de aceitação de 23%. Vale ressaltar que os requerimentos são diferentes para outras universidades e essas notas costumam ser referências apenas, e não notas de corte. A Hokkaido University, por exemplo, recomenda uma nota acima de 79 no TOEFL iBT e torna opcional o SAT/ACT.

Bolsas no Japão

A anuidade para estudar na Universidade de Tóquio é de 535.800 ienes (aproximadamente 5 mil dólares), o que dá em torno de 416 dólares por mês (um valor bem mais acessível que a grande maioria das universidades americanas e privadas brasileiras). A faculdade tem também uma taxa de admissão, que precisa ser paga quando o aluno inicia seus estudos na universidade e é de 282.000 ienes (aproximadamente 2600 dólares). Além disso, são oferecidos dormitórios por 40.000 ienes mensais (aproximadamente 400 dólares), mas há também a opção de se hospedar fora do campus, o que pode sair mais em conta. Contudo, existem bolsas por mérito que podem ser oferecidas junto com a admissão para a universidade. Por exemplo, a "The University of Tokyo Scholarship", oferecida para até 10 estudantes de méritos excepcionais admitidos para o PEAK (por ano), cobre toda a taxa de anuidade e custos de moradia durante os quatro anos de graduação.

Além das bolsas ofertadas pelas universidades, o governo Japonês oferece bolsas de estudos para brasileiros em universidades japonesas. Essa bolsa é chamada MEXT e é ofertada para cursos profissionalizantes, escola técnica, graduação, pós-graduação, entre outros. Para se candidatar à bolsa é necessário ser proficiente em inglês, mas saber um pouco de japonês também pode ajudar. A bolsa oferece isenção dos custos acadêmicos, passagem (de ida e volta) e uma ajuda de custo de 117.000 ienes por mês (aproximadamente 1000 dólares). O processo seletivo para o MEXT ocorre anualmente, com provas e avaliação do histórico escolar do candidato. Se quiser saber mais, clique aqui.

Prós e contras

Bom, como já disse anteriormente, apesar de ter sido aceita na Universidade de Tóquio, acabei escolhendo ir para Barnard. Vou aqui listar alguns dos prós e contras que levei em consideração:

Prós

●  O Japão tem uma educação de qualidade e várias de suas universidades figuram muito bem em rankings mundiais. Por exemplo, a Universidade de Tóquio ficou na 36ª posição no Times Higher Education World University Rankings 2021.

●  Comparada com a das faculdades americanas, a anuidade é bem mais baixa, além de que existem oportunidades para conseguir bolsas de estudo.

●  Com visto de estudante é possível trabalhar meio período no país, possibilitando ao estudante ter uma renda extra para ajudar com os custos de vida lá.

●  O Japão é um país muito seguro! Mesmo Tóquio, que é uma metrópole, é uma das cidades mais seguras do mundo.

●  Estar imerso em uma língua diferente pode ser um desafio, mas também pode ser uma experiência muito enriquecedora, pois você pode sair da faculdade fluente em mais uma língua

●  O sistema de transporte público japonês é eficiente e pontual. Isso facilita o dia-a-dia, assim como os passeios pelos inúmeros pontos turísticos do Japão - que não são poucos! O país é repleto de castelos majestosos, templos budistas e xintoístas, e uma paisagem exuberante.

Contras

●  Cursos na Língua Inglesa são limitados nas universidades japonesas, visto que a língua oficial do país é o Japonês.

●  Acredito que não apenas a distância geográfica, mas também o fuso horário (são doze horas de diferença) são fatores importantes. O Japão está literalmente do outro lado do mundo!

●  A cultura japonesa é bastante diferente da nossa, o que pode dificultar a adaptação nos primeiros meses. Essa diferença vai da comida às relações sociais, então é um aspecto importante que precisa ser considerado, mas que sem dúvidas é apenas uma questão de tempo!

Com isso em mente, é importante dizer que, desde os anos 80, o Governo Japonês tem incentivado a internacionalização do seu ensino superior, e atrair estudantes estrangeiros tem sido considerada a chave para este processo. Assim, as universidades têm buscado oferecer mais cursos em inglês e também trabalhado para garantir que os estudantes estrangeiros sejam bem-recebidos em suas universidades. Por isso, o Japão vem se tornando, cada dia mais, um destino atraente para estudantes estrangeiros. 

O Japão é um ótimo destino para quem busca por uma educação de qualidade, tem interesse em aprender uma nova língua, e, com certeza, ter uma experiência inigualável!

Bom, é isso! じゃ、さよなら!